Fidelização de clientes! Vale a pena?

Fidelize seu cliente ele agradece e retribui sendo embaixador da marca.
Abrace seu cliente! Fidelizar é agregar valor!

 

Ok, contato estabelecido, produto apresentado, preço, prazo enfim… a venda foi concluída.

Essa simples operação é executada milhares de vezes todos os dias mas,  o que faz com que esse consumidor volte? Considerando que o atendimento, preço, qualidade de produtos e prazos de pagamento importam, devemos somar a todas essas as ações de fidelização.

Muito mais que vantagens, os programas de fidelizacão são, necessariamente, uma ferramenta de gestão que sem controle ou acompanhamento, com certeza, não levarão a nada.

Uma pesquisa divulgada pelo HBR sobre e-loyalty nos anos 2000 apontou que antes do preço está o confiança da empresa no fator de decisão e esse comportamento destacado no mundo virtual também se aplicou para as lojas físicas. Portanto, ser autoridade está acima do preço e condições de pagamento nos serviços e/ou produtos.

Com isso, os consumidores passam a consumir os produtos e serviços por valores que são atribuídos a marca por identidade com as políticas, crenças e filosofias tornando-se com o passar do tempo advogados da marca (pois a defendem e a promovem) além de consumidores fiéis. Somamos a isso, a necessidade de promovermos experiências ao invés de vendas e a fidelização é com isso a cereja do bolo afinal, todos gostam, lembram e prestigiam os estabelecimentos que além da qualidade ofertam mais vantagens aos seus clientes! Pode ser um junte e ganhe, um mail marketing com felicitações de aniversário e desconto ou simplesmente a saideira para os amigos no happyhour.

O que importa é destacar que ele é importante e que você está feliz em tê-lo como parceiro! E se vale a pena? Sim! Muito! Clientes fiéis consomem duas vezes mais além de serem embaixadores da marca!Faça valer a máxima de que todo abraço conforta e todo sorriso encanta! Empreenda e seja feliz!

 

 

Marketing e o mercado regional

mercadoregionalEsse dilema é vivido por grande parte dos profissionais que atuam em mercados regionais e, a conversa é sempre a mesma! Muito difícil, pouco valor, não entendimento da real importância em investir em marketing e comunicação.

Sim, também por alguns momentos, compartilhamos do aparente coro de companheiros de profissão mas, convém destacar algum pontos para reflexão como:

1- Qual o real tamanho desse mercado?

2 – Qual a postura de sua estrutura?

3 – Qual experiência está promovendo?

4 – Quanto tempo se dedica a buscar aprimoramento?

Pensando no tamanho do mercado, acredito que a angústia de achar restritivo pode abrir novos horizontes pois o varejo não está mais nas lojas físicas dos mercados regionais assim como os compradores. O mundo mudou! (Parece discurso de profeta mas, é a realidade).

Quanto a sua postura e portanto de sua estrutura, se você não acreditar que o mesmo caminho não leva a destino diferentes então as coisas tendem a ficar menos confortáveis. Acho que erramos nesse processo e em todos os outros mas, o importante é arriscar! O mercado pode ser conservador e então tenha uma postura de inovação ainda que com certa moderação afinal, o mercado é construído e consolidado obedecendo tendências, hábitos e outras práticas que não acontecem de uma noite para outra.

Grandes agências, clientes globais, glamour, somas exorbitantes de capital (veja, também sonho e trabalho duro para uma conta dessas)  para quê? Conseguir dar aquele abraço amigo e falar com o consumidor como era na época de nossos pais e avós! Isso sim é uma revolução… Trazer o que temos de mais puro e sincero no frenético mundo da virtualização desvirtuante. Os nossos relacionamentos e as formas com que nos relacionamos está carente! Sim… muito… eu estou… você está… o mercado e os consumidores estão. Venda experiências… essas serão inesquecíveis as promoções, não.

Quantos cursos você fez no último mês? No último ano? Quando foi? Quanto mais difícil for a lembrança mais deve se preocupar! Falando em velocidade, uma referência interessante seria a trajetória dos pilotos de F1. Desde nosso ídolo Ayrton Senna até a nova geração o tempo de formação e aprimoramento de habilidades e conhecimento de cada circuito, foi reduzido com o uso  de simuladores que além de treinar, permite ao piloto conhecer cada detalhe de cada circuito com uma riqueza de detalhes e isso, sem sair do centro de treinamento ou até mesmo, sem sair de casa (vejam os avanços e recursos dos xboxes e plays Stations da vida – sim… sou da era atari)

Então, o aprimoramento está a um clique de distância então, é melhor desistir de dar desculpas de como fará um curso bacana pois as escolas são fora… (realidade de mercado regional) muito caro, muito isso, muito aquilo… na verdade é muito CÔMODO!

Aí acho que o resultado complicado de crise com falta de visão, vontade, mudança e pró-atividade com certeza vão engrossar o grupo de colegas que estão discursando sobre o mercado regional onde alguns empreendedores e possíveis clientes talvez não tenham entendido a necessidade e importância de investir e manter o investimento em uma área que representa o resultado e sobrevivência de sua estrutura no mercado.

 

 

 

A sua empresa precisa estar nas redes sociais!

A popularização da internet é um fato que nós acompanhamos já há algum tempo. Inúmeras pesquisas mostram o aumento do acesso tanto mundial, quanto brasileiro. A maioria da população encontra na internet uma forma fácil de acessar conteúdo, realizar tarefas, se divertir, aprender, trabalhar e, também, de interagir.

Frequência de acesso a internet

A convergência de todas essas possibilidades da internet, acontecem nas redes sociais. Impulsionados pelo crescimento de dispositivos móveis com acesso a internet no Brasil, as redes sociais contam com usuários que estão conectados o tempo todo, compartilhando situações, opiniões e informação em tempo real.

A internet no Brasil

 

É por isso que sua empresa deve estar nas redes sociais. Aprender com o cliente, ou com clientes em potenciais, nunca foi tão acessível como atualmente. A soma de exposição pessoal, interatividade e conectividade deixa pegadas relevantes no mundo digital. O importante é ter a percepção de saber em qual momento na vida digital do consumidor a sua marca pode ser inserida.

O objetivo principal é estabelecer mais um canal de contato com o consumidor. Atrair o público-alvo com publicações que apresentem o seu produto/serviço, formando uma comunicação direta e analisando a aprovação, ou reprovação, por meio das curtidas e dos comentários.

Além do baixo custo, a velocidade com que a informação chega ao público também ajuda a criar diversas ações de marketing. Com rapidez, a informação chega ao consumidor e é replicada, atraindo ainda mais pessoas.

Outra função das redes sociais que deve ser destacada, é a sua função de SAC. Dentro desse espaço as dúvidas, os problemas e as informações que eles procuram possuem uma interação mais rápida. E pode apostar: o seu consumidor sabe, e vai, se utilizar disso.

A harmonia entre os meios on e offline pode levar a sua empresa muito além! Aposte nas redes sociais e elabore estratégias modernas e diferenciadas para alavancar as vendas de seu produto ou serviço.

Quando uma aspirina traz dor de cabeça

Campanha premiada, mas rejeitada.
Campanha premiada, mas rejeitada.

2016 foi um bom ano para o Brasil em Cannes. Encerrada no último sábado (25), a edição premiou o país com um total de 90 leões, inferior à edição passada (108 leões), mas ainda sim com destaque.

Em meio à campanhas incríveis como “Possibilidades Infinitas” da Almap BBDO para a Getty Images, “Músicas da violência” da FCB Brasil para o Estadão e “Braille Bricks” da Lew’Lara/TBWA para Fundação Dorina Nowill para Cegos, houve espaço para uma grande polêmica.

Detentora do título de Agência do Ano, com 21 leões, a Almap BBDO entrou em uma saia justa: a propaganda da Aspirina, ganhadora de leões de bronze nas categorias Outdoor e Print, recebeu uma enxurrada de críticas por supostamente tratar a filmagem não consensual e a divulgação de vídeos íntimos como uma “simples” dor de cabeça.

A própria Bayer repudiou o anúncio e afirmou que a agência quem pagou pela veiculação limitada da peça: “O conceito foi apresentado para a nossa equipe de marketing local no Brasil pela BBDO como uma das várias campanhas que a agência pretendia apresentar para o festival Cannes Lions deste ano. A fim de satisfazer os requisitos para a submissão a Cannes, a BBDO pagou para a veiculação limitada da peça no Brasil. A Bayer não anuncia Aspirina no Brasil há vários anos”

O fato desperta ainda mais atenção pelo momento em que aconteceu: há um mês atrás uma menina de 16 anos foi filmada e exposta à exaustão na internet em um caso que chocou o país. Uma aspirina resolveria o problema?

O mundo publicitário deve ficar atento na conexão da publicidade com o mundo real. Enquanto há empresas que lutam fortemente a favor de um mundo livre, com igualdade entre gêneros e livre da homofobia, ainda temos mensagens que reforçam esteriótipos nocivos.

Mais do que nunca, as empresas devem se preocupar com as pessoas. Interpretações que podem causar desconforto não são bem vindas. Ainda mais agora com o advento da internet, onde o consumidor mostra a sua força e tem voz para calar quem pisa no seu calo.

Vale ressaltar: O presidente do júri disse que os jurados não consideraram a peça machista e se desculpou. A Almap BBDO assumiu a responsabilidade, publicou uma nota se desculpando e abriu mão dos prêmios.